image85

Conteúdo Programático

COMO CLASSIFICAR SUA FLUÊNCIA?

 

A: Falante Básico

É aquele que consegue comunicar-se através de frases simples, mas que ainda não tem independência suficiente para articular um discurso. Utiliza enunciados simples e compreende expressões, desde que se trate de um tema que seja familiar e não se entre em detalhes técnicos.

A1: Iniciante

– Consegue entender e usar expressões familiares do dia-a-dia e frases bem básicas, visando satisfazer necessidades concretas.

– Consegue apresentar-se, assim como apresentar os outros, fazer e responder perguntas sobre detalhes pessoais como: onde mora, pessoas que conhece e coisas que possui.

– Consegue interagir de forma simples, se a outra pessoa falar lenta e claramente e com paciência para ajudar.

A2: Básico

– Consegue entender sentenças e expressões frequentes relacionadas a áreas de relevância imediata (por exemplo, informações pessoais e familiares básicas, compras, localidades geográficas, emprego, etc.).

– Consegue se comunicar em tarefas simples e em rotinas que exigem apenas uma troca de informação simples e direta sobre assuntos que lhe são familiares e habituais.

– Consegue descrever em termos simples aspectos do meio ao seu redor e se referir a assuntos relacionados com necessidades imediatas.

B: Falante independente

É aquele que consegue manejar o idioma com o grau de fluidez e independência necessário sem tornar um esforço a comunicação com um interlocutor nativo. É capaz de compreender qualquer texto escrito, ainda que trate de aspectos técnicos, e dar sua opinião sobre temas da atualidade.

B1: Intermediário

– Consegue entender os pontos principais, quando em contato com linguagem usual e familiar (no ambiente de trabalho, escola, laser, etc.).

– Consegue lidar com a maioria das situações que possivelmente podem ocorrer em viagens onde a língua é falada.

– Consegue produzir um discurso simples e coerente sobre assuntos que lhe são familiares ou de interesse pessoal.

– Consegue descrever experiências e eventos, sonhos, esperanças e ambições, e dar breves razões e explicações de suas opiniões e planos.

B2: Independente

– Consegue entender as ideias principais de textos complexos em tópicos concretos e abstratos, incluindo discussões técnicas em sua área de especialização.

– Consegue interagir com um grau de fluência e espontaneidade de modo que conversas com falantes nativos ocorra sem esforço por nenhuma das partes.

– Consegue produzir textos claros e detalhados em temas diversos e explicar um ponto de vista em um assunto, expondo as vantagens e desvantagens de várias opções.

C: Falante Proficiente

O falante proficiente é aquele que possui um nível de domínio da língua que lhe permite

expressar-se de forma precisa enfatizando o significado dos conceitos. É capaz de compreender o que escuta ou lê sem esforço. Tratam com fluência temas complexos sem que se note que estão procurando a palavra adequada.

C1: Proficiência Operativa Eficaz

– Consegue entender um vasto número de textos longos e complexos, sendo capaz de reconhecer significados implícitos.

– Consegue se expressar fluente e espontaneamente sem se esforçar para encontrar palavras adequadas.

– Consegue usar a língua com flexibilidade e eficazmente para propósitos sociais, acadêmicos e profissionais.

– Consegue produzir textos complexos, claros e bem estruturados, demonstrando um domínio de mecanismos de organização, de articulação e de coesão do discurso.

C2: Domínio Pleno

– Consegue entender com facilidade praticamente tudo que ouve e lê.

– Consegue resumir informações de diferentes fontes faladas e escritas, reconstruindo argumentos e fatos em uma apresentação coerente.

– Consegue se expressar como espontaneidade, fluidez e precisão.

– Consegue distinguir finas variações de significados, inclusive nas situações mais complexas.


Conclusão

Usamos o CEFR como uma forma de definir objetivamente nossas metas de fluência. 

O nível B1 é suficiente para passar as férias com os amigos Surdos. O B2 é o nível que costuma ser exigido por várias universidades e concursos públicos sérios. O nível C1 já pode ser considerado como fluente, e é o nível que o aluno que tem como meta se tornar um intérprete. Porém, o ideal para ser um bom profissional capacitado é o nível C2 , pois é um nível próximo de sinalização de Surdos usuários de Libras no dia a dia.

Finalizando, para maiores informações sobre o CEFR você pode consultar o documento oficial do Conselho Europeu (em inglês) clicando aqui.

Qual é o seu nível de fluência?

 

É comum as pessoas responderem essa pergunta como “nível básico”, “intermediário” ou até mesmo “fluente”. Mas o que quer dizer cada uma dessas respostas? São respostas vagas demais e que podem ter significados muito diferentes para cada pessoa.

Atualmente, a melhor forma para se ter um entendimento comum sobre um nível de fluência em um idioma é usar como referência o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas, ou simplesmente CEFR (Common European Framework of Reference for Languages).

O Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas é o resultado de 20 anos de pesquisas do Conselho Europeu. É uma ferramenta para classificar os conhecimentos de um idioma da maneira mais objetiva possível, de forma que os diferentes credenciamentos linguísticos sejam similares. Ele é largamente utilizado como referência na Europa, e cada vez mais usados em países da Ásia e Américas. Para isso são estabelecidos três níveis que se dividem, por sua vez, em subníveis para se chegar uma escala mais precisa com um total de seis níveis.

quero me inscrever

O que você vai aprender? Nosso conteúdo programático

O CURSO COMPLETO TEM DURAÇÃO DE 03 ANOS DIVIDIDO EM 06 MÓDULOS

METODOLOGIA E PROGRAMA DE CONTEÚDO


A Verbo em Movimento - curso de Libras tem como objetivo capacitar o aluno a utilizar a Língua de Sinais Brasileira - Libras, a segunda língua oficial do Brasil, tornando-o capaz de interagir de maneira eficiente e natural com surdos, ampliando as possibilidades de comunicação profissional e interação social.


Carga horária total do curso: 400 horas em 06 módulos

Idade Mínima 16 anos, abaixo, só acompanhado dos pais


Material Didático

A Verbo em Movimento adota o modelo de “Sala de Aula Invertida - ao longo do processo de aprendizagem será adotada uma apostila e demais recursos tecnológicos que servirão de parâmetro para o desenvolvimento do aluno durante todo o curso junto com um material de apoio em vídeo que será entregue ao aluno no decorrer das aulas por meio da plataforma digital para ser usado como consulta.


Informações do adicionais

Mercado de Trabalho
Para enfrentar o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, o conhecimento da Língua de Sinais Brasileira tornou-se um diferencial para os profissionais da área de educação, saúde, RH e atendimento ao público em geral.


Público-alvo
Ouvintes que necessitem ou tenham interesse em comunicar-se com pessoas surdas (ambiente organizacional; família; instituições educacionais públicas e privadas). Como também profissionais de educação corporativa de empresas.


Método
Adotamos o modelo “Sala de aula invertida (flipped classroom) ou “Aula Invertida” como conhecem alguns. O curso, com auxílio de plataformas digitais e aplicativos para celulares, engloba prática da língua a partir de situações contextualizadas do dia a dia; dramatização; expressão corporal e facial; jogos e dinâmicas.

Certificação
Aquele que concluir com aprovação e o número mínimo de faltas permitido este curso será conferido o respectivo certificado de conclusão do curso: Língua Brasileira de Sinais – em cada Módulo ou poderá retirar um único certificado ao final dos 06 módulos com a carga horária total.


Objetivo Geral
Auxiliar o aluno através do aprendizado da LIBRAS e a interação surdo/ouvinte a anular o preconceito ancorado na desinformação e, principalmente desencorajar o medo de relacionar-se com o surdo, dando-lhe bagagem para a comunicação plena. 


Objetivos Específicos
Desenvolver autonomia na comunicação com o surdo;
• Ter contato com os principais fundamentos da Libras e das técnicas de tradução e interpretação
• Quebrar barreiras de preconceitos em relação ao relacionamento com as pessoas com deficiências;
• Desenvolver habilidade e capacitação para interpretar palestras, ministrar  cursos e afins.


Programa de Ensino:


Pontos fundamentais em nossa metodologia de ensino:

Conscientizar o aluno quanto à cultura do Surda (organização social, costumes, código de ética etc.);
Diferenças fundamentais entre o português e a Libras, culturais e linguísticas por meio da prática em sala de aula com professores Surdos e Intérpretes o aluno terá um perfeita noção básica da usabilidade da Libras como usuário e como profissional


Aprofundamento prático e teórico na Língua de Sinais Brasileira - Libras: 

  • Compreensão de Produção dos sinais
  • Diálogos diversos
  • Identificação pessoal
  • cumprimentos
  • Alfabeto manual
  • Números Ordinais
  • Números Cardinais
  • Expressões faciais e corporais - parte 1: noções iniciais
  • Familiares
  • Características de gênero
  • Adjetivos para pessoas e animais
  • Animais Selvagens
  • Animais Domésticos
  • Classificadores na prática - parte 1
  • Verbos simples - parte 1
  • Verbos de manuseio - parte 1
  • Verbos direcionais - parte 1
  • Substantivos - parte 1
  • Meios de transporte
  • Diálogos básicos do dia a dia
  • Sinais específicos utilizados nas empresas (sinais formais)
  • 05 Parâmetros gramaticais
  • Configuração de mãos - o que são e como usá-las
  • Aspectos cognitivos do surdo
  • Aquisição de Língua na primeira fase da vida da criança surda
  • Construção Lingüística - frases simples 
  • Construção Lingüística - frases simples - frases para usar em casa
  • Construção Lingüística - frases simples para usar na rua e no dia a dia
  • Construção Lingüística - frases simples para interpretar
  • Construção Lingüística - frases elaboradas para interpretar
  • Construção Lingüística - frases técnicas para interpretar
  • Tipos de frases - identificar aspectos linguísticos da Libras e perceber a diferença com a língua Portuguesa a fim de eliminar vícios linguístico que possa surgir, o objetivo é fazer entender a construção frasal para eliminar o português sinalizado
  • Ponto de articulação
  • Pronomes e os Classificadores
  • Verbo e flexão verbal
  • Advérbios de tempo
  • Direção e perspectiva
  • SInalização visual - sintaxe espacial
  • Sinalização gramatical - sintaxe estrutural
  • Incorporação de Numeral e quantificação
  • Incorporação de personagem - sintaxe espacial
  • Adjetivos e suas formas
  • Comparatividade de frases para adaptar corretamente para o português
  • Classificadores na prática avançado
  • Classificador x Visual Vernarcular
  • Intensificação do verbo - como o usar o “mais” e o “muito” da forma correta
  • Concordância verbal na prática de interpretação - adaptações ideais na interpretação e tradução para da Libras para o Português e vice-versa
  • Tradução de textos português/Libras e Libras/português
  • Identidade do Surdo - reflexões aprofundadas para entender e atender melhor a relação do Surdo com o Familiar e o profissional que irá atendê-lo
  • Montagem do conceito da interpretação
  • Montagem do conceito da Tradução
  • Montagem do conceito da interpretação musical através da junção Libras/música. 


Objetivo Final: 

Tornar o aluno preparado para se comunicar em qualquer situação.

Promover o desenvolvimento de ações para a formação inicial e continuada de Familiares e principalmente; promover a transversalidade e a intersetorialidade da comunicação bilíngue, visando a assegurar o pleno desenvolvimento linguístico-cognitivo e a aprendizagem dos estudantes e profissionais da educação bilíngue para atender o indivíduo Surdo (criança e adulto); 

Promover e favorecer a realização de estudos práticos e pesquisas referentes às experiências com e na educação bilíngue de surdos;

Promover ações para a formação inicial de professores e Intérpretes bem como auxiliar e orientar os demais profissionais em seu desenvolvimento;

Por fim, esperamos despertar no aluno envolvido a capacidade de compreender de modo eficaz as diferenças entre o indivíduo surdo e o ouvinte, dando-lhe bagagem para entender o processo de inclusão não apenas para ele, mas também para ensinar a outros.

image86